Notícias da Flamma

Voltar

Em Mandaguaçu, a correria é grande na semeadura

22.12.2021

Esta é uma época do ano em que os irmãos Terezan, de Mandaguaçu, município vizinho a Maringá, não têm tempo para mais nada: eles aproveitam cada minuto do dia para avançar na semeadura da soja. “A gente levanta bem cedo já querendo ir pra roça”, diz Moacir, que trabalha em sociedade com os irmãos Marival e Mauro em 310 alqueires (750 hectares) entre terras próprias e arrendadas. Os trabalhos tiveram início em pleno feriado de Nossa Senhora Aparecida e, com suas três semeadeiras, os Terezan conseguem fazer 30 alqueires por dia, em média. Na quinta-feira (14/10) as chuvas interromperam os trabalhos, mas não tem problema, elas são benvindas.

Avançando - Mandaguaçu não é um município com grande tradição em soja, os solos variam entre mistos e arenosos, mas a cultura produz bem por ali e vem avançando. No ano passado, para fazer frente ao crescimento da produção, a Cocamar implantou uma estrutura de recebimento próxima ao distrito de Pulinópolis, facilitando a vida dos produtores.

No período ideal - Segundo Moacir, sua família sempre implanta a lavoura a partir de meados de outubro, época que considera mais apropriada. “Aqui a gente não tem o costume de antecipar”, avisa. Com a soja semeada em outubro, o milho vem na sequência ainda dentro da janela recomendada pelos técnicos, em março.

Visita - Os Terezan foram visitados na tarde de quarta-feira (13/10) pelo Rally Cocamar de Produtividade, que teve a companhia do gerente da Unidade Maringá, Adilson Nocchi.

Confiança - Moacir conta que o capricho é tudo na agricultura e eles se preocupam em fazer tudo bem feito. A soja em breve estará emergindo em meio à palhada deixada pelo milho. “Temos confiança de que vai ser um ano melhor”, diz Moacir, referindo-se às agruras causadas pelo clima tanto na última safra de verão quanto na de inverno.

Produzir - Eles que trabalham também com terras arrendadas, precisam produzir para sobrar alguma coisa, pois os custos são altos.

Ano atípico - Na soja (ciclo 2020/21) os irmãos conseguiram 122 sacas por alqueire (50,4/hectare) em média. “Teve muita gente por aí que não colheu nem isso”, diz Moacir, comentando sobre as perdas ocasionadas pela seca. Em anos de clima favorável, os resultados são bem melhores. No milho de inverno, por causa também da falta de chuvas e das geadas, a safra deste ano é para ser esquecida, segundo o produtor – no geral, uma das maiores quebras já registradas na média em todas as regiões atendidas pela Cocamar.

Metade - O gerente da Unidade Maringá, Adilson Nocchi, informa que a área semeada já atinge praticamente metade do previsto no município de Maringá e adjacências, como é o caso de Mandaguaçu.

Sobre o Rally - O Rally Cocamar de Produtividade, em sua sétima edição consecutiva, conta com o patrocínio das seguintes empresas: Basf, Fairfax do Brasil – Seguros Corporativos, Fertilizantes Viridian, Zacarias Chevrolet e Sicredi União PR/SP (principais), Cocamar Máquinas, Lubrificantes Texaco, Estratégia Ambiental e Irrigação Cocamar (institucionais), com apoio da Aprosoja/PR, Cesb e Unicampo.